terça-feira, 23 de setembro de 2014

Chão nosso útero

        • O flerte do catarro com o concreto
          a paixão da esquina com a puta que cobra mais barato
          e salvo minha razão sem rotulo garganta abaixo
          dê ritmo como a debutante que se molha em segredo no colo da mãe
          tudo que é ensinado pelos velhos entupidos de remédios
          na hora que desata o nó e a corda fica frouxa no colo de quem espera um abraço
          Um prato de comida para quem a fome de dentro para fora já devorou
          Interrompa o coito quando grudar grunhindo na orelha cortada




sábado, 20 de setembro de 2014

Fragmentado

A gente só conhece o gosto do amor de ressaca no dia seguinte.  
Quando ele sai aos montes pela garganta e nariz.
aquele restinho com bílis
esverdeada. 
Você quer manter tudo dentro
mas sabe, quando sai é para sempre.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Sobre a literatura

Comendo Drummond com os dedos flácidos

acomoda nessas poltronas acolchoadas

O cu frouxo de um rei

Beberica esse teu vinho importado

Vocifera unanimidade sendo nulo

Enquanto ser centro e tomar a palavra

Margeio o cru indecente da verdade

Palmas ao pó sob vossas cabeças

Estarei nos jornais

Mesmo forrando-os no chão