segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Alverca

Seus seios crueis
que são minha luz
no fim do túnel
no quarto iluminado
onde latejo a imensidão branca
espero mais um minuto
num dia qualquer
vocifero contra quilômetros
e quando são meses já
eu ainda tenho um gole para te oferecer