terça-feira, 13 de novembro de 2012

Despedida

Estupidamente cortados
postos em camadas na terra
virgem com os olhos fechados
ao abrir tudo mentira

É papai do céu que é apenas dito
por que se chora em silêncio
a morte seduz e nós recusamos
esperando a excitação e deitar

Pingo sangue involutariamente
desde o ínicio e até fim
abram a cabeça e joguem
a merda comercializada das massas

E às vezes não se recusa cair
À vezes e preciso esquecer
e no fim tenha amor.

Um comentário: