sexta-feira, 13 de julho de 2012

Paraíso inconstante

Eu levanto
e enterro um sonho
mal começo
e logo termino
Há espaços
instantes que não percebo
Os dias que seguem
em cada vida que finda
Sendo eu no tempo que passa
tardando até quando?
Inócuo é o fim
posto nas indiferenças alheias
Um passo dado
não se olha para trás
Nas pontas de alguns cigarros
um mergulho na garrafa
Por certo
ainda não estou resumido

20/11/08

Nenhum comentário:

Postar um comentário