domingo, 14 de julho de 2013

Copo de leite

Quando amor é bilis
quando a noite tenta
no amanhecer sou velho
garganta abaixo
não desate
é figura oculta
na boca que há
veneno nos ossos
gozo sem querer
toco na fonte
às vezes sangra
como uma corda
no pescoço de mais um
as mesmas unhas
nos pentelhos cantam
a mesma boca
do copo se serve
dê uma manhã
ao corpo com fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário