sexta-feira, 21 de março de 2014

Tempos

Quem da noite faz palco
da  manhã tormenta
vitimado por horas
sem descanso ao pôr sol

De quem o conforto é um dia já velho e gasto
sorri sim ao pássaro
dê as mãos aos rancores
numa xícara encontra o que possa afoga-los

Na dança morta das coxas brancas
lendo notícias de um mês
respingos de tantos anos
tenha a corda
sem pé na forca
segure o gatilho
não despedace

Nenhum comentário:

Postar um comentário