quarta-feira, 5 de março de 2014

Sem coroa

abro janela
e quantas vezes não vi esse cinza ser mais deslumbrante do que o mar?
xícaras de sobras para os suicídios matinais com cafeina
escolho uma música aleatória:
Isolamento...
isolamento...
isolamento...
nem cães de rua se dão por convencidos por esse estado
cópula canina ao meio dia
mãos jovens esmolando nas ruas imperiais
sinal da cruz do anônimo pai de família na fila do terminal
estamos num começo
sem sorte para quem vive olhando o chão buscando achar o que nem mesmo sabe se há
para quem já dormiu honesto na escada de Pedro

Nenhum comentário:

Postar um comentário