terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Das tripas

Desculpe-me pela pretensão dos pássaros de galho em galho
cantando nossos casos

arranhando a janela enquanto lá fora o dia ganha mais de nós

nas vezes em que me sinto estúpido
nas vezes vezes em que exala a montanha comigo

Desculpe-me pela certeza do chão que se molha com a chuva, do porre quando encontro a boca

nós poderíamos guiar em silêncio o menos pesado de nossos dias

arranhando a janela enquanto enquanto lá fora não há mais nós para ganha

Nenhum comentário:

Postar um comentário