domingo, 1 de setembro de 2013

Sonora Cafeina

Um dia amor, foi mais que iludir sua ausência nesses úteros de areia

Talvez amor, eu não devesse ter feito das tripas coração quando o corpo perdeu o gosto e ser estranhos era ser feliz

Amor, quem de nós dois ainda não deu uma olhada para trás e pensou numa chance a mais?

É sempre verão amor, teu humor anda de ralo abaixo e sabe que aqui é inverno nos ossos e em todo resto

Os meses que passam como soro no braço como antes

A carne alheia na boca como roupas usadas de um defunto

E ainda amor, eu conto nos ponteiros o tempo que não temos mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário