quarta-feira, 6 de junho de 2012

A Mulher da minha vida


"Via-se a estrada
do sossego só tormenta
enumerados e pequenos
das tristes noites mal contei
e os passos tropeçados
do lixo o reino e desgraça
estava eu firme diante do abismo
olhado pelo desespero alheio
por mais sincera chance
com frio sempre fiel da terra natal
quando tentei ausentar
mão branca me agarrou
olhos de bebê faminto me olhou
e numa noite eu fui feliz pra sempre"

Um comentário:

  1. Parece a minha história, eu tbm fui feliz pra sempre numa noite insana.

    ResponderExcluir