segunda-feira, 4 de junho de 2012

Preso porém

Em alguma hora perdida
quando se olha por olhar
os ponteiros tão pesados
Em alguma hora perdida
quando se cala pela falta do seguir
saliva que fica enquietada na boca
Em alguma hora perdida
você olha ao redor e supõe
de encontro ao concreto o corpo
Em alguma hora perdida
tão pouco nos bolsos é uma dádiva
afogo-me no barato verdadeiro
Em alguma hora perdida
sinto o presente ser mais ausente
o frio começa a incomodar
Em alguma hora perdida
a queda é sempre perfeita
por sorte acordar pela manhã
Em alguma hora perdida
encontro-me contra o concreto
perdido...

Nenhum comentário:

Postar um comentário