quarta-feira, 27 de junho de 2012

Pai


Fechado os olhos
lágrimas nos meus
e ali deitado
quem me gerou

Banho pela manhã
2 horas em diante só tortura
eu ria e brincava com poréns
debil garoto que se sujou

Seja forte que agora é hora
dos punhos que vinham contra
e eu sempre ia embora machucado
mas agora eu ria melhor

Mamãe sem nenhuma gota
e aprendi na mesma hora
tia velha chorava forte, tinha garra
mas eu continuava rindo

Seguindo o cortejo em silêncio
eu vi no chão os restos de outros
peguei e joguei o papel ao chão
eu tinha oficializado meu lugar

Nenhum comentário:

Postar um comentário