terça-feira, 22 de julho de 2014

E em todo fim são os ossos mais verdadeiros do que tudo

Punhos fechados
Elmo antigo
Mova-se igual
Não curve-se
Duas ou mais
Não faz diferença
A  mesma terra partida
Sob os corpos quando cai
Saudando os amigos
Da raiz até a alma cubro
Não é a cor que torna-se qualidade
Olhe dentro dos olhos
monossilábico eu faço saudação
Minha terra
Terra de muitos
Terra de ninguém

Nenhum comentário:

Postar um comentário